O faturamento do comércio eletrônico no período do Natal foi de R$ 8,7 bilhões, o que representa um crescimento de 13,3% em relação ao ano passado em que o faturamento atingiu os R$ 7,7 bilhões. Os dados foram apurados pela Ebit, que traz informações precisas sobre esses resultados para o mercado on-line com os cálculos dos índices de vendas on-line de lojas virtuais.

O número de pedidos também aumentou em 13,3%, passando de 16,83 milhões a 19,06 milhões. O tíquete médio caiu apenas 1%, de R$ 462 para R$ 457, mas com o aumento dos pedidos, isso não representou qualquer tipo de queda nos indicadores.

O período compreendido pela Ebit foi do dia 15 de novembro a 24 de dezembro, e também abrangeu o período da Black Friday, que por si só representou 1/4 do faturamento de todo o setor no período.

Categorias que se destacaram no período

Entre as categorias que mais se destacam, a que lidera em faturamento é a de telefonia, que também contabiliza as vendas de celulares e smartphones. A categoria foi responsável por 21% do faturamento do e-commerce no período.

Outra categoria que também apresentou números muito bons foi a de casa e decoração, que representou 8,3% do faturamento total. O crescimento dessa categoria é um reflexo direto da crise que afetou o Brasil nos últimos anos, já que as pessoas deixaram de investir tanto em viagens, em alimentação em restaurantes e nos demais estabelecimentos, na opinião de Pedro Guasti, CEO da Ebit.

Para ele, o desempenho no período do Natal deve fazer com que o crescimento do comércio eletrônico, ao final do ano, seja em torno de 10%, o que é um excelente indicador.

Guasti, ainda, diz que as vendas foram muito bem em todas as datas mais esperadas do comércio e até mesmo em outras em que havia menos expectativas, como o Dia dos Namorados e o Dia dos Pais, o que fez com que o setor pudesse retomar o crescimento de dois dígitos, interrompido em 2016 em decorrência da crise econômica que assolou o país.

Categorias com maior número de pedidos e faturamento

As categorias que tiveram o maior número de pedidos foram as de moda e acessórios (13,5%), eletrodomésticos (12,3%), casa e decoração (10,4%), telefonia (9,5%) e perfumaria e cosméticos (7,6%).

Por sua vez, as que tiveram melhor desempenho em relação ao faturamento foram as de telefonia (21%), eletrodomésticos (20,2%), eletrônicos (11,8%), informática (8,7%) e casa e decoração (8,3%).

É latente que as pessoas tenham deixado de gastar tanto assim com viagens, passeios e alimentação fora de casa e investido mais dentro de suas residências, já que elas desejam garantir maior conforto e beleza para o ambiente em que passam a maior parte dos dias.

Uma ótima pedida para mudar bastante a aparência de todos os cômodos da casa, não sendo necessário investir um valor monetário exorbitante para tal finalidade, é a utilização de papel de parede para decoração, que podem ser facilmente achados na loja K&G, que oferece diversas opções de papel de parede para todos os gostos e preferências.

Fonte: EXAME